15 de set de 2011

O Silêncio da Chuva

Conheci o trabalho do autor do livro O Silêncio da Chuva na faculdade de Psicologia... Luiz Alfredo Garcia-Roza escrevia sobre Psicanálise – Psicanálise é a linha da Psicologia que mais amo, tanto que foi essa a teoria e técnica que estudei para atender na clínica. A obra dele que conheci, Freud e o Inconsciente, que todo mundo fala que é bem escrita e tranqüila de ler (já que às vezes têm alguns textos na Psicologia que parecem grego), pertencia a minha amiga Tharcilla e ela acabou deixando comigo por conta do meu interesse na teoria que ele descrevia... Já li muito sobre Psicanálise, sobre Freud, Lacan, mas do Garcia-Roza só tinha lido parte desse livro mesmo...
Mas enfim, indo direto ao ponto, quero dizer que, já sabendo que ele era um excelente escritor de Psicanálise, fiquei surpresa quando comprei um livro policial e vi que a autoria era dele. Na hora já pensei: “Hummm, deve ser bem escrito” – e era mesmo.

O Silêncio da Chuva foi o primeiro romance policial do Garcia-Roza e o primeiro desse gênero que eu li também... Sua história se passa no Rio de Janeiro, entre os bairros de Copacabana e Peixoto. O Bairro Peixoto é um bairro dentro de Copacabana e, segundo minha amiga, e moradora da Gávea, Tharcilla, é formado por uma comunidade bem tradicional... Um lugar charmoso e bairrista que lembra em muito o Rio de Janeiro de antigamente, um lugar onde as pessoas ainda mantêm cadernetas em padaria (informação da Tharci)... Seus moradores geralmente não vendem nem trocam seus imóveis e as famílias se conhecem e convivem há bastante tempo... Já serviu de cenário também para um romance do Nelson Motta e para a novela Senhora do Destino - era lá que morava a personagem da Renata Sorrah, a Nazaré lembram? Eu lembro...
O Silêncio da Chuva tem uma combinação de suspense e mistério... Juntamente com o protagonista da trama, o honesto e ético Delegado Espinosa, podemos soltar nossa imaginação e nossa racionalidade... Uma obra onde o autor se preocupou mais em retratar a “alma” do criminoso da história e as razões que o levaram para a delinqüência do que os crimes em si, esses que estamos acostumados a acompanhar nos jornais Brasil afora...
E, esse heróico personagem Espinosa deu tão certo que Garcia-Roza continuou a escrever sobre suas aventuras em outros livros que ainda quero ler: Achados e Perdidos, Vento Sudoeste, Perseguido, Uma Janela em Copacabana, Espinosa Sem Saída, Na Multidão e Céu de Origamis. Vamos conferir????

Sinopse: “Um executivo é encontrado morto ao volante do próprio carro, num edidício-garagem no centro do Rio. Levou um tiro, único e definitivo, mas não há outros sinais de violência: é um morto de indiscutível compostura. O que só atrapalha as coisas, nesse crime sem testemunhas e aparentemente sem pistas...”

Abaixo uma foto do Bairro Peixoto:


2 comentários:

  1. Oi querida! Adorei as referencias!!! Nao esqueca daqueles livros que te recomendei: Desculpa se te chamo amor e Desculpa se te amo. Ah, e por favor, e veja o filme, o italiano e' tuuuudo de bom!
    Bjsss
    Tharci

    ResponderExcluir
  2. Vou colocar esses livros na minha listinha de espera... E tem o Desculpa se quero me casar contigo, não tem? Beijãoooo Tharci

    ResponderExcluir