31 de out de 2011

As Esganadas

Olá minha gente!!!
Vamos começar a semana com o pé direito então???
Em primeiro lugar, e pra quem gostar da idéia, vocês podem clicar aqui e conhecer o Desafio Bem Estar, sobre o qual falei no meu post anterior. O objetivo desse desafio, proposto no blog da Jú (Juliana Garcia), é dedicarmos 15 minutinhos do nosso dia para relaxar, fazer algo prazeroso e ser feliz, que tal??? Esse algo prazeroso pode ser meditar, rezar, caminhar, fazer uma aula de yoga e, por que não, tirar um tempinho para ler um bom romance???
Bom, os meus 15 minutos de relaxamento poderiam ser preenchidos por uma boa leitura sim, mas acho que no meu caso não vale né??? hehe... Então me proponho a encontrar todo dia uma maneira de parar, observar o mundo e a natureza ao meu redor, respirar fundo, agradecer e a partir daí seguir em frente, mais leve, mais tranqüila, mais feliz... Hoje por exemplo, além de ter o prazer de escrever pra vocês, pretendo fazer uma aula de yoga, ler meu romance O Tempo Entre Costuras, comer uma boa salada de noite com meu marido e dormir oito horas de sono ininterruptas... Já é um começo né???

Outra coisa que gostaria de conversar com vocês hoje é sobre o mais novo livro do Jô Soares... Infelizmente nunca li nenhum de seus trabalhos, mas estou louca para comprar sua mais recente obra chamada: AS ESGANADAS. Pra quem quer se interar do assunto e saber um pouco a respeito da história desse romance policial, pode dar uma olhada na sinopse abaixo:



“Rio, 1938. Um perigoso assassino está à solta nas ruas. Seu alvo são mulheres jovens, bonitas e... gordas. Sua arma são irresistíveis doces portugueses. Com requintes de crueldade gastronômica, ele mata sem piedade suas vítimas e depois expõe seus cadáveres acintosamente, escarnecendo das autoridades.”
Gente, AS ESGANADAS fica como a dica dessa segunda-feira... Só lembrando a vocês que o cenário desse romance policial é o delicioso Rio de Janeiro dos anos 30, ainda capital do Brasil. E um dos lugares citados na história é a Confeitaria Colombo. Nunca conheci a unidade da Confeitaria que fica no centro do Rio, mas tive o prazer de tomar um maravilhoso café na Colombo que fica no Forte de Copacabana. Além da deslumbrante vista de Copacabana, ainda podemos nos deliciar com um café da manhã digno de qualquer rainha... Fica essa dica também para quem visitar a cidade maravilhosa... Um início de semana maravilhoso pra vocês minha gente!!!

29 de out de 2011

Bem estar

Gente, não deixem de ir visitar o blog da Jú, conhecer o desafio e participar do Desafio BEM ESTAR... Afinal o momento de ser feliz é agora e a felicidade pode estar em simples e delicados momentos que estão ao nosso alcance... Vamos cultivar o prazer, o bem estar e nos darmos um tempinho todo dia???

28 de out de 2011

Lembra de Mim? Continuação...

E eis que chegou a sexta-feira... Eeeeee...
Bem-vindos ao blog minha gente, sintam-se à vontade para ler e comentar... E, conforme prometi ontem, hoje vou falar sobre o livro Lembra de Mim? da Sophie Kinsella...

Imagine que, ao acordar num belo dia, você olha ao redor e não reconhece sua própria vida... Você está com uma idade, com um estilo e até com um marido que você não imaginava ter porque, de acordo com sua última lembrança, antes de acordar, você não tinha essa aparência e sua vida parecia ser bem menos glamourosa. Pois é minha gente, é mais ou menos com essa sensação que Lexie, personagem de Lembra de Mim?, se depara ao acordar num belo dia, logo no início dessa história...

“Lexie desperta em um leito de hospital após um acidente de carro, pensando que está em 2004, que tem 25 anos, uma aparência desleixada e um namoro desastroso. Mas, para sua surpresa, ela descobre que está em 2007, tem 28 anos, é chefe de seu departamento e sua aparência está impecável. E ainda é casada com um lindo milionário! Ela não pode acreditar na sorte que teve. Mas, conforme ela descobre mais sobre a nova Lexie, nota problemas graves em sua vida perfeita. E, para completar, uma revelação bombástica pode ser sua única esperança de recuperar a memória.”

Um romance muito muuuito bom e bem diferente, que consegue despertar nosso lado mais curioso e nos leva a acompanhar, ansiosamente, cada passo de Lexie na descoberta de sua verdadeira vida e identidade. Uma história que nos faz pensar que nem sempre o que as pessoas acreditam ser perfeito é realmente o que as faz feliz... A felicidade é um estado de espírito, é uma maneira de se enxergar e ver o mundo... É um sentimento, uma sensação, uma emoção que independe de beleza ou dinheiro... O verdadeiro caminho para ser feliz é conseguirmos sermos nós mesmos, melhorando sim, um pouquinho a cada dia, o que nos incomoda, mas jamais perdendo nossa essência, nossa capacidade de amar e ser amado, nossa capacidade de rir e sorrir, inclusive de si e para si mesmo...
E é com essa avaliação filosófica, hehe, que eu encerro esse texto...
Um fim de semana cheio de felicidade, cheio de amor, paz, esperança e sonhos... Até mais minha gente!!!

27 de out de 2011

Lembra de Mim? Parte I

Olá pessoal!!!
Bom, que eu adoro os romances e o estilo divertido da narrativa da escritora Sophie Kinsella, acho que todo mundo já sabe... E por isso, gostaria que soubessem também que, com o tempo, pretendo falar aqui no blog sobre cada um de seus trabalhos... Contudo, para não ser repetitiva e maçante (acreditam que tive que procurar a escrita correta dessa palavra na internet e que graças a um dos professores do Soletrando, aquele do Luciano Huck mesmo, encontrei?), uma obra por mês acho que está de bom tamanho né meu povo??? No mês passado falei sobre Samantha Sweet: executiva do lar.
Ainda não encontrei a inspiração necessária para falar da Becky Bloom, personagem principal de uma série de seis livros da autora que já comentei aqui.
Às vezes penso em escrever sobre todos os livros dessa série num mesmo post, tipo um resumão sabem??? Às vezes penso em escrever durante seis dias seguidos sobre cada um dos livros de minha querida Becky Bloom, cada dia uma história... Às vezes penso em escrever sobre cada uma das histórias dela uma vez por mês... Enfim, decidida eu né???? hehe...
Então meu povo, enquanto a amiga de vocês aqui não se decide, é melhor ir falando dos romances que não constituem a série da Becky, mas que, diga-se de passagem, são maravilhosos e engraçados também...
Bom, pra resumo de conversa, resolvi adiantar para vocês que a dica para este fim de semana, que darei só amanhã aliás, sexta-feira, hehe, será o livro da Sophie Kinsella que tem o seguinte título: Lembra de Mim? (é gente, o título é assim em forma de pergunta mesmo).
Por que só darei a dica amanhã???
Porque o texto de hoje acabou ficando “gigante” e, segundo a opinião de meu maridão, eu poderia dividir o post em duas partes e essa atitude, de dar a dica só amanhã, despertaria a curiosidade das pessoas e faria elas voltarem, vou testar então, hehehe...

Só lembrando pessoal que ainda, infelizmente, não terminei o livro O Tempo Entre Costuras, mas estou completamente absorvida em sua leitura e já fiz até uns esboços e rabiscos que devem estar no texto que falará sobre ele... Aguardem!!!
Então é isso minha gente... UMA FELIZ QUINTA-FEIRA PRA TODO MUNDO!!!

25 de out de 2011

O Fantasma

Olá minha gente!!!!!
Hoje vou falar sobre o livro que mais gostei entre todos os que li da escritora Danielle Steel... Apesar dela ter uma narrativa mais romântica e açucarada - e já falei aqui que não me importo com isso, ao contrário, adoro – essa obra da autora, que se chama O Fantasma, é um pouco diferente das outras que já li e conheci.
O Fantasma foi tão bem escrito e suas histórias foram tão bem amarradas, que temos, durante a leitura, a sensação de estarmos lendo um romance histórico, como se todos os fatos e pessoas realmente tivessem existido. Uma obra que nos envolve e nos estimula a viajar através da descrição de cada paisagem e personagem.
Nesse romance maravilhoso, “Danielle Steel narra duas histórias paralelamente: a da vida de Sarah Ferguson, que fugiu de Londres após um casamento destrutivo com um aristocrata inglês. E a de Charlie, que tenta reconstruir sua vida após o fim de seu casamento. O detalhe é que ambos os personagens vivem em épocas muito distantes, ela no século XVIII, ele no século XX, mas independente do tempo, histórias de amor serão sempre histórias de amor e a história de Sarah acabará por fazer a de Charlie mudar e ajudará ele a se encontrar...

Sinopse: Charlie Watson está arrasado pelo fim de seu casamento. A esposa perfeita de dez anos, repentinamente, pede o divórcio. Chocado, Charlie – um arquiteto americano radicado em Londres – volta para os Estados Unidos e tira seis meses de férias para se recuperar. Pouco antes do natal, ao dirigir por uma estrada coberta de neve, encontra uma antiga construção que o fascina.
O local inspira romance. Um castelo construído em 1790 por um conde francês especialmente para sua amante, Sarah Ferguson, a condessa de Balfour. Logo ao entrar no castelo, Charlie sente no ar a presença de Sarah, cuja história vai sendo descortinada por ele à medida que lê os diários da condessa.

24 de out de 2011

Movimento "comentemais"

Olá pessoal!!!
Gente, continuo firme e forte na leitura de O Tempo Entre Costuras, mas ainda não consegui terminar... Espero que não passe dessa semana porque já tenho uma listinha em espera que está crescendo...
Bom, então hoje quero publicar aqui o selo de um Movimento que vi em vários blogs e resolvi aderir. Aliás, desde já quero agradecer a gentileza de minha amiga Lia do blog quero morar em uma livraria, por ter dividido comigo as informações sobre o Movimento, o selo e o texto. Confiram o selo e o texto abaixo:


“Quantas vezes você visita um blog, lê um post interessante, a mão coça para comentar, mas sai sem deixar nenhum comentário???
... O Movimento é para conscientizar todos nós da importância de deixar um comentário quando visitamos um blog, porque é através dos comentários que a interação acontece, as idéias surgem e com isso vamos melhorando o conteúdo sempre!!! Então, quer fazer parte do Movimento??? Copie o selo se tiver um blog e se não tiver, “comentemais!!!”

E aproveito a oportunidade para agradecer a todos os meus visitantes, sejam amigas, amigas de amigas, pessoas de outros blogs, familiares... Obrigada pela visita, pela divulgação e pelo apoio... Obrigada a todos que já comentam também... Continuem vindo, conhecendo, lendo e participando...
Sei também que algumas pessoas já tentaram comentar e não conseguiram, mas quando me encontram, logo falam o que acharam, obrigada a vocês também!!!
No mais meu povo, um início de semana maravilhoso pra todos vocês... Que todos os seus planos dessa semana (se for para o bem de vocês) possam se concretizar!!!

21 de out de 2011

Fim de Semana

Finalmente sexta-feira, o dia da semana que o povo todo mais espera, eeeeeeee...
Na sexta sempre gosto de dar uma boa dica para o fim de semana, mas dessa vez vou fazer diferente, acho que vou falar um pouquinho de tudo, coisas que servirão como dicas também...
- Bom, em primeiro queria recomendar um filme (que se fosse livro daria um lindo romance): UM BOM ANO. Talvez alguns já tenham assistido (afinal ele é de 2006), mas eu só tive a oportunidade de conhecê-lo essa semana e simplesmente amei!!! Um Bom Ano conta a história de um investidor inglês, com poucos escrúpulos, que herda uma vinícola na França. Decidido a vendê-la, Max (Russell Crowe), viaja até o local, mas chegando lá deixa-se envolver pelo clima da “Provence” Francesa, o que vai acabar mudando sua vida. Um filme com um cenário e um enredo muito românticos. Uma obra cinematográfica dirigida pelo excelente Ridley Scott – diretor inglês responsável por filmes como Robin Hood, Gladiador, Hannibal, Thelma e Louise, entre outros trabalhos muito bons. Fica então a dica meu povo, uma ótima opção para o fim de semana...


- Em segundo lugar gostaria de comunicar que estou finalmente lendo O TEMPO ENTRE COSTURAS, da escritora María Dueñas, e que estou achando-o simplesmente maravilhoso!!! O Tempo Entre Costuras tem uma narrativa que nos envolve completamente e a partir das trinta primeiras páginas não dá mais vontade de parar de lê-lo. Venho falar sobre ele aqui assim que terminar a leitura, mas devo ainda levar alguns dias porque a narrativa é longa e as letras bem pequenininhas, hehe... Quem quiser já pode ir lendo para depois comentar aqui sua opinião.


- Em terceiro gostaria de avisar que me ligaram da livraria Santa Fé (aqui em Tubarão) porque parece que o livro Kafka e a Boneca Viajante, do escritor Jordi Sierra i Fabra, chegou. Estou atrás desse livro há alguns meses já e não encontrava-o em lugar nenhum. Dizem que é uma obra bem interessante, estou curiosa!!! Hoje vou lá na livraria dar uma conferida, se eu finalmente comprá-lo vocês saberão, hehe...


- Em quarto e último lugar meu povo quero desejar um fim de semana maravilhoso pra todos vocês... Aproveitem para descansar e relaxar... Podem ler, ir ao cinema, ir à praia ou simplesmente ficar de bobeira, o que importa é ser feliz!!!! Até mais...
(A foto abaixo é da Provence - lavandas e girassóis - lindo!!!)




20 de out de 2011

Olá pessoas!!!!!
Hoje vou publicar um trecho de um texto do Arnaldo Jabor... Espero que ele possa nos descontrair e tornar a semana mais leve e divertida... Acho que não devemos nos cobrar tanto, o tempo todo e exigindo sempre a perfeição, afinal ninguém é perfeito, mas nem por isso menos interessante e especial. O importante é ser feliz minha gente, se amar e enxergar a parte cheia do copo (e não a vazia) e o colorido da vida...
BOA QUINTA MEU POVO!!!

 
Todo homem deve LER!!!

“É melhor ter uma mulher engraçada do que linda, que sempre te acompanha nas festas, adora uma cerveja, gosta de futebol, prefere andar de chinelo e vestidinho, ou então caça jeans desbotada e camiseta básica, faz academia quando dá, come carne, é simpática, não liga pra grana, só quer uma vida tranqüila e saudável, é desencanada e adora dar risada.
Doque ter uma mulher perfeitinha, que não curte nada, se veste feito um manequim de vitrine, nunca toma porre e só sabe contar até quinze, que é até onde chega a seqüência de bíceps e tríceps.
Legal mesmo é mulher de verdade. E daí se ela tem celulite? O senso de humor compensa.
Pode ter uns quilinhos a mais, mas é uma ótima companheira. Pode até ser meio mal educada quando você larga a cueca no meio da sala, mas e daí?
Porque celulite, gordurinhas e desorganização têm solução. Mas ainda não criaram um remédio pra futlidade...”

19 de out de 2011

Sophie Kinsella


Já estou há um tempo para falar sobre a Sophie Kinsella. Acho que demorei para pôr a mão na massa porque já imaginava que sobre essa autora maravilhosa não poderia falar pouca coisa, então vamos lá...
O verdadeiro nome de Sophie Kinsella é Madeleine Wickham. Ela nasceu em Londres em 1969, começou a estudar música no New College, Oxford, mas acabou mudando para Políticas Econômicas. Aliás, antes de se tornar escritora foi jornalista de economia com especialização na área financeira. Seu primeiro grande sucesso sob o pseudônimo de Sophie Kinsella foi Delírios de Consumo de Becky Bloom, que em 2000 esteve na lista dos livros mais vendidos do Reino Unido. Com seu nome original, Madeleine, já havia publicado outros sete trabalhos anteriormente, mas infelizmente nenhum deles traduzido no Brasil.
Sua queridíssima e popular personagem Becky Bloom fez tanto sucesso que acabou levando a autora a escrever outras aventuras para sua heroína, são elas:
Delírios de Consumo de Becky Bloom
Delírios de Consumo na Quinta Avenida
As Listas de Casamento de Becky Bloom
A Irmã de Becky Bloom
O Chá-de-Bebê de Becky Bloom

E agora, para minha felicidade, acabei de saber que foi lançado mais um livro da série da Becky no Brasil: Mini Becky Bloom, Tal Mãe Tal Filha (minha mais nova e feliz aquisição, eeeeeeee...).
Além da série de nossa querida amiga Bloom, Sophie também publicou outros quatro romances:
O Segredo de Emma Corrigan
Lembra de Mim?

Entre todas as suas obras, as únicas que ainda não li foram O Segredo de Emma Corrigan - que já comprei e está lá na minha casa, quietinho, esperando para ser lido – e Mini Becky Bloom, Tal Mãe Tal Filha - que adquiri graças a Beta, que trouxe de Floripa o último exemplar na Saraiva: Obrigada Betita!!!
Aqui no blog, dois dos trabalhados da Sophie já foram comentados: Menina de Vinte e Samantha Sweet – executiva do lar. Mas, aos poucos, vou falando sobre todos eles, podem deixar...
Gente, os livros da Sophie Kinsella são muitos bons, há inclusive quem prefira os dela aos da Marian Keys... Eu, como sou suspeita para falar, não acho que uma possa ser melhor que a outra. Gosto das duas, mas tenho um caso de amor com os romances da Marian Keys, aí fica difícil escolher. O bom mesmo é ler e conhecer as duas escritoras e seus livros, quanto mais opções de leituras e romances divertidos melhor né????
BOA QUARTA-FEIRA MEU POVO!!!!!!!!!!!!!!

17 de out de 2011

Água para Elefantes

Olá meu povo!!!! Um início de semana maravilhoso pra todos vocês... Uma semana cheia de paz e harmonia, onde cada um possa não só cumprir com seu trabalho e seus deveres, mas também encontrar um tempinho para relaxar e fazer algo de que goste bastante... É nesse tempinho que tiramos para nós e para estarmos com as pessoas que amamos que conseguimos recarregar nossas baterias e ter mais inspirações e alegrias...

Bom, vou começar a semana falando de um filme, inspirado num romance que já li há bastante tempo: Água para Elefantes. Estava louca para ver esse filme e já tinha falado da minha curiosidade sobre ele aqui, numa comparação filme x livro.
Então, em especial para minha amiga Taty, do blog nosgusta, que ama e defende o cinema com unhas e dentes, hehe, vou confessar que esse filme realmente faz jus à obra que o inspirou. Apesar de já ter lido Água para Elefantes há uns dois anos (e de na época nem ter imaginado que ele viraria filme), posso dizer que o filme conseguiu sim trazer o mesmo encantamento, a mesma beleza e magia da narrativa. Uma narrativa maravilhosa que conta uma linda história de amor, que fala sobre os bastidores do circo, seus artistas e trabalhadores na difícil década de 30, período da grande depressão americana (pior crise econômica da história dos Estados Unidos). Um romance inesquecível e que nos apresenta também alguém muito especial, Rosie, a elefanta que mudou a história do circo e a história de seus personagens...
Nesse caso meu povo, leiam o livro e vejam o filme ou só leiam o livro ou só vejam o filme também, não importa, o que importa é conhecer essa história e embarcar num universo misterioso e encantador que ficará durante muito tempo em sua lembrança...




"A Vida é o maior espetáculo da Terra." (amo essa frase)

14 de out de 2011

Los Angeles

Bom, como o texto de ontem foi sobre um livro com uma história linda, porém um pouquinho triste, hoje falarei de um romance mais leve e romântico da minha querida autora Marian Keyes: Los Angeles.
Los Angeles foi o sexto trabalho da autora publicado no Brasil e, como todas as outras obras da Marian, é engraçado e delicioso de ler.
Já falei aqui no blog sobre a Marian Keyes diversas vezes e sobre alguns de seus trabalhos também, mas ainda não comentei uma curiosidade presente em seus romances. Embora cada livro tenha uma história independente da outra e não exista uma seqüência obrigatória e lógica para nossa leitura, algumas personagens, mesmo estando em livros diferentes, são parentes. Como assim??? Você vai se dando conta disso à medida que vai lendo e conhecendo cada romance, cada personagem e sua família (juntando 1+1 fica 2, hehe). As personagens em questão são as irmãs Walsh. Não é em todo livro que a Marian fala sobre uma irmã Walsh, mas nos que vou relacionar a seguir sim:
Melancia: Claire Walsh, a irmã mais velha
Férias: Raquel Walsh
Los Angeles: Maggie Walsh
Tem Alguém Aí: Anna Walsh
Ainda está faltando ela escrever sobre a irmã mais nova, Helen (um verdadeiro fio desencapado), mas acredito que ela escreverá em breve (tomara, já estou curiosa).
Cada uma dessas obras que citei acima tem uma irmã como personagem principal, mas acaba sempre citando as outras, aí quem já leu o livro em que as outras aparecem vai lembrar e rir ainda mais, pelo menos é isso que acontece comigo.
Bom, Los Angeles é ambientado na cidade de mesmo nome, na Califórnia, que é para onde a mais certinha de todas as irmãs, Maggie, viaja após largar o marido. Maggie se hospeda na casa de uma amiga e roteirista de Hollywood e em meio a roupas sofisticadas, pessoas magérrimas e festas bem freqüentadas ela vive uma jornada de aventuras e descobertas na cidade das estrelas. Isso tudo sem esquecer de tentar entender o que ela quer da vida e o por quê de ter largado seu marido...
Um livro hilário, divertido e bem mulherzinha, do jeito que eu gosto, hehe... Uma boa dica para o finde – Que tal ir até Los Angeles nesse finde hein????  Boa Viagem!!! hehehe...


Pequena Continuação...

Oiii de novo meu povo!!!!
Olha, ontem esqueci de falar mais uma coisinha (bem importante) sobre O Menino do Pijama Listrado. Esqueci de falar o quanto essa história nos faz lembrar de nossos amigos de infância, daqueles que eram nossos parceiros para estudar brincar ou mesmo para procurar encrenca (no livro essa palavra é citada várias vezes, adorei)...
Eu e minha amiga Taty, por exemplo, sempre queríamos brincar de aventuras, caminhar, subir em árvores... Diz o Tio Polaco, pai da Taty, que a gente se achava adulta com 12 anos, queríamos nos arrumar como mocinhas, mas depois de emperequetadas, olhávamos uma para a outra e dizíamos "vamos brincar???"... Ai, ai, como era boa nossa infância!!!
Com esse livro lembrei também de quando íamos até uma criança, ou ela vinha até nós, fosse na escola, no parquinho ou na praia e perguntava: posso ser seu amigo???
Há alguma coisa mais singela e delicada do que pedirmos alguém em amizade???
Sabem, acho que hoje eu não pergunto mais isso (se perguntasse era capaz de me chamarem de doida ou carente, hehe), mas sempre que estou num lugar e tenho a possibilidade de fazer novas amigas não me fecho não, principalmente quando é amiga de uma amiga ou alguma menina que começou a namorar alguém da turma e ainda não se enturmou. Acho que abrirmos o nosso coração e recebermos as pessoas com alegria e respeito torna a vida mais leve e alegre, torna a gente mais gentil. Fazer amigos não tem idade minha gente... BOA SEXTA-FEIRA!!!!!

13 de out de 2011

O Menino do Pijama Listrado

Olha minha gente, O Menino do Pijama Listrado é simplesmente maravilhoso e, embora eu já tenha visto o filme, acho que o livro é ainda mais intenso e torna nossa relação com os personagens muito mais próxima. A maneira como o autor, John Boyne, criou uma narrativa compassada e fluente, a maneira como ele consegue se comunicar com o leitor em cada linha é incrível...
Quando terminei o livro ontem, chorei que me acabei... Não tanto pelo final da história, mas pelo fato da obra ter me tocado profundamente em cada detalhe que ela descreve sobre as duas crianças, Bruno e Shmuel... A delicadeza no jeito puro e singelo com que eles conseguem se comunicar e enxergar o mundo é encantadora... A riqueza dos pensamentos e das conversas nos faz pensar que as crianças têm muito mais a nos ensinar do que a gente imagina...
Amei a frase da orelha do livro que acho que tem como objetivo dar uma idéia geral da obra: “E cedo ou tarde (o leitor) chegará com Bruno a uma cerca. Cercas como essa existem no mundo todo. Esperamos que você nunca se depare com uma delas...”
Essa frase serve para fazer-nos pensar em todas as cercas que separam e oprimem as pessoas, todas as cercas que nos distanciam de algo ou alguém sobre o qual jamais devemos deixar de lançar um olhar sensível e questionador, as cercas das diferenças, das injustiças, das desigualdades...
A orelha do livro não dá uma dica da história para não prejudicar a leitura, mas posso dizer a vocês que nesse livro o autor conseguiu abordar de uma forma muito especial uma história que envolve dois meninos, uma cerca, um pijama listrado e uma linda amizade...
John Boyne também é autor de O Garoto no Convés e Palácio de Inverno, quero ler e conhecer os dois.

11 de out de 2011

A Massai Branca

Oláááá pessoal!!!! Bom, continuo lendo O Menino do Pijama Listrado, quando terminar virei aqui rapidinho contar, podem deixar...
Enquanto isso... Vou confessar uma coisa a vocês...
Olha minha gente, escrever sobre livros e alimentar um blog diariamente ou freqüentemente nem sempre é fácil... Às vezes me falta inspiração, às vezes não estou a fim de falar sobre um determinado romance em que havia pensado e me programado, às vezes também estou tão envolvida em uma história que estou lendo que é complicado pensar em outra, enfim, várias coisitas... Contudo, nada disso é capaz de tirar minha vontade de escrever, de pensar, de buscar e de ler...
Como para essa pessoa que vos fala o blog ler e amar é um espaço de diversão e lazer e escrever aqui é algo que eu adoro, estou indo sempre em busca de novas idéias, seja em minha querida e capenga memória, seja nas anotações que fiz nas páginas de rosto dos livros ou mesmo na lista de obras lidas que costumo enumerar na minha agenda e aqui no blog (ícone livros que li), seja também pedindo a opinião de amigos e pessoas que como eu adoram ler... Quero sempre escrever sobre algo que possa entreter e cativar os leitores, algo sobre o qual li e gostei e que ao mesmo tempo represente bem o que eu sou e o que penso... Difícil mesmo né??? hehe...
Pois sendo assim, hoje quero falar sobre o livro A Massai Branca. A idéia de falar sobre essa obra apareceu ontem mesmo, à noite, enquanto entrava em uma livraria do shopping e me deparava com um exemplar dela, aí pensei: “Huuummm, ainda não falei sobre esse livro...”

A Massai Branca é uma história real, vivida pela própria autora Corinne Hofmann,  e contada de forma romanciada (o que prendeu muito mais minha atenção)... Confesso que peguei este livro emprestado com alguém (acho que foi com o seu Atair que adora uma biografia e histórias reais, acho que são dele todas as obras que li nesse estilo) porque não tinha nada pra ler, mas acabei me surpreendendo...
A narrativa conta de forma clara, envolvente e detalhada a história de amor que fez Corinne, uma empresária suíça, se mudar de mala e cuia para a África para viver ao lado de um guerreiro da tribo massai... Uma história de amor que vai muito além da paixão... Uma história cheia de aventuras, diferenças, choque cultural, Tolerância, coragem e realidade... Este livro, inclusive, já virou filme, mas não assisti, aliás, descobri isso só hoje, hehe... Mas como vocês sabem, eu costumo ficar com os livros mesmos, já que eles me encantam sempre muito mais, assim como esse de que vos falei...


9 de out de 2011

O Menino do Pijama Listrado

Olá pessoal!!!!
Bom, na sexta-feira escrevi que ia começar a ler o romance O Tempo Entre Costuras, só que ocorreu uma pequena mudança nos meus planos (mais precisamente há meia hora atrás)... Nesse domingo de tarde, estando de bobeira aqui na casa da minha cunhas Fá em Torres/RS, acabei encontrando entre as coisas dela o livro O Menino do Pijama Listrado e resolvi dar uma olhada nele - essa olhada consistiu na leitura do primeiro capítulo todo, hehe. Já vi o filme, e chorei que me acabei, mas a Lia do blog Quero Morar em uma Livraria falou que o livro é mil vezes melhor que o filme (quase sempre isso acontece).
Então, depois de ler esse primeiro capítulo, resolvi que queria ler a obra toda por três motivos: 1) já vi e gostei do filme, 2) a narrativa tem só 189 páginas e 3) a questão que envolve a história do nazismo e a história de uma criança, apesar de triste, me fez pensar no livro A Menina que Roubava Livros, que me tocou profundamente e se tornou uma das obras mais marcantes que já li na vida. Sendo assim, como pra chorar a gente não paga imposto, estou pronta para essa que deve ser uma viagem bem triste até a Alemanha (ler é viajar). O detalhe é que entre a leitura do primeiro capítulo de O Menino do Pijama Listrado e a minha inspiração para vir aqui lhes escrever, meu marido e meu afilhado Vi já estão com as coisas no carro e me esperando para pegar a estrada para Tubarão, nossa cidade. Então meu povo, até amanhã porque agora uma viagem de 2 horas (essa é de verdade mesmo, mesmo) me espera... Bom domingo!!! 


7 de out de 2011

Crônica - Fernanda Torres

Gente, procurando textos legais na internet, para contemplar meus leitores com algo leve, interessante e engraçado nessa sexta-feira, deparei-me com uma coluna da Fernanda Torres na página da Veja Rio. Foi nesse site também que encontrei um texto do Manoel Carlos que postei aqui no blog outro dia.
Essa crônica da Fernanda, sobre o tempo que nós mulheres temos que ter para dar conta de tudo, é muito legal. Aliás, não é uma questão só de tempo meus amigos, mas de paciência (muita), boa vontade e perseverança, hehe... Depois de lerem vocês vão entender sobre o que estou falando...
Outra coisa, graças aos comentários aqui no blog da Lia e da Taty, acabei decidindo ler o romance O Tempo Entre Costuras da María Dueñas, que ganhei da Vevé de aniversário. Depois venho falar mais sobre ele.
Então, um fim de semana maravilhoso pra todos vocês, cheio de luz, harmonia, paz e paciência (hehe)...

Crônica Tempo, tempo, tempo da Fernanda Torres:

Duas horas e quarenta minutos. No relógio. Foi quanto eu levei para completar a terceira sessão de depilação definitiva.
O dia não havia começado promissor.
Às 9 da matina daquela sexta-feira, eu já me encontrava sentada na cadeira da dentista. Acreditei que na segunda consulta concluiria a contenção da arcada inferior, algo que eu estava adiando havia mais de ano com a ajuda de um aparelho de dentes que eu esqueci no avião. Reagi com espanto à notícia de que o fio pré-moldado não se encaixava corretamente. Tentei negociar uma forma de me livrar de uma terceira visita ao 7º andar da Siqueira Campos, mas foi em vão.
Meu destempero deixou as duas doutoras discretamente boquiabertas. Como explicar que não sobra tempo? Que, fora o trabalho e a família, a idade aumenta a necessidade de rotinas de saúde e beleza, o que congestiona ainda mais a vida curta?
A dermatologista, eficientíssima, que se esmerou por duas horas e quarenta no comando do incinerador de pelos a laser, contou que, certa vez, receitou uma lista de cuidados para um senhor que sofria de uma coceira causada por ressecamento cutâneo. Ao ler o tratado, o paciente deu uma pausa e respondeu com mesura que, para executar o protocolo a contento, teria de acordar às 4 da matina, todos os dias, antes de ir trabalhar. “E isso é uma coisa que, vamos combinar, não vai acontecer.”
Quanto mais vivido o cidadão, mais revisões ele deve fazer. É difícil dar conta. Quando eu era jovem, tinha medo de ir mal na prova da escola. A maturidade me trouxe um receio ainda pior, o de ser reprovada no exame de sangue.
Embora frívolos, os cuidados cosméticos não ficam a dever em termos de obrigatoriedade.
É possível ser hippie até os 30 anos, depois complica. Se você é mulher, complica muito. Os cabelos brancos são um divisor de águas, o momento decisivo de se tornar, ou não, uma mulher bem tratada. Para sê-lo, saiba que uma boa parte da sua passagem na Terra será gasta com cutículas e raízes aparentes.
Sempre fugi de salão de beleza. Fico exasperada com o tempo gasto em cortar, pintar, fazer unha, escova… Talvez por executar esse ritual constantemente na minha profissão eu tenha desenvolvido essa aversão quando estou à paisana, mas desconfio que não agüentaria mesmo se fosse veterinária ou cozinheira.
Fora o tédio, a aplicação da tintura provoca queda na autoestima. É um terrível efeito colateral.  Nenhuma mulher deveria ser vista com o cabelo empastelado de amônia, perfume e pigmento, é feiís­simo. Para dar resultado, fica-se uma boa hora diante do espelho nesse estado monstruoso e exalando um cheiro meio bom, meio ruim. É um exercício de desapego digno de um monge budista. Igualmente humilhantes são as sessões depilatórias.
No fim da interminável recauchutagem, a sensação de égua tratada realmente não tem preço, mas o custo em segundos é incalculável.
Quando optei por não me deixar largar, criei a ilusão de que conseguiria ocupar as tardes nos salões de maneira produtiva. Carreguei computador e livros e me instalei na bancada. Pra quê?
Não conheço cristão que resista à tara por revistas de moda e fofoca no cabeleireiro. É a literatura ideal, não tem outra. Curiosamente, em ambientes menos fúteis, como as antessalas dos especialistas em medicina, também impera esse tipo de publicação. É corpo são e mente em compasso de espera.
Talvez por ter me exasperado mais do que queria na dentista, enfrentei sem muxoxo as duas horas e quarenta de gelo, ar refrigerado e agulhadas lancinantes poros adentro. A promessa de me livrar da intimidade excessiva com moças que eu mal conheço, munidas de cera quente, me segurou na maca.
Sigo resignada. Não tem jeito. É daí para pior. Otimizar é a palavra de ordem.
Juntei o check-up do ginecologista com o do clínico geral. É tanto teste que eu nem sei quanto tempo vão demorar para me virar do avesso. Faço uma escova razoável em mim mesma e já não queimo o pescoço quando piloto o baby liss.
Eu me esmero na tentativa de executar breves paradas no boxe, seguidas de uma longa corrida.

6 de out de 2011

Vinicius de Moraes

Hoje quero falar um pouquinho sobre Vinicius de Moraes... Esse músico, poeta e escritor... Esse artista único e maravilhoso... Mas, independente do que eu fale ou conte aqui, ainda será pouco e não dará conta de descrever e explicar a grandiosidade de suas obras, principalmente de suas canções.
Acho a música do Vinícius leve, doce, otimista, brasileira (com orgulho disso) e romântica. Ele cantou o Rio, o mar, o amor e os amigos... Ele conseguiu colocar vivacidade na sua forma tão poética de compor... Conseguiu colocar delicadeza na sua forma de cantar as coisas simples da vida...
E não é à toa que um dos momentos mais importantes e lindos da minha vida, meu casamento, foi marcado pelo compasso de Se Todos Fossem Iguais a Você, música que o Davi (meu marido) entrou na igreja... Ai, ai, como é bom casar!!!!! Caso vocês tenham curiosidade e queiram saber a música que eu entrei posso falar, hehe, foi uma da Vanessa da Mata que se chama Ainda Bem, linda também!!!! (até rimou)

Gente, tem um DVD do Vinicius que é muito legal e volta e meia está na promoção nas Americanas e na Saraiva (o meu comprei lá e paguei menos de R$ 20,00). O DVD chama Vinicius e foi dirigido pelo Miguel Faria Jr. Consiste em uma homenagem montada em forma de pocket show, apresentada pelos atores Camila Morgado e Ricardo Blat. O documentário mostra a vida, a obra, a família, os amigos e os amores de Vinicius de Moraes. A essência criativa do artista e filósofo do cotidiano e as transformações do Rio de Janeiro através de raras imagens de arquivo, entrevistas e interpretações de muitos de seus clássicos. Vocês têm que ver!!!!



E pra encher de encanto, romantismo e poesia esse finalzinho da semana, eis uma poesia de nosso amigo Vinicius:
A você, com amor
O amor é o murmúrio da terra
quando as estrelas se apagam
e os ventos da aurora vagam
no nascimento do dia...
O ridente abandono,
a rútila alegria
dos lábios, da fonte
e da onda que arremete
do mar...

O amor é a memória
que o tempo não mata,
a canção bem-amada
feliz e absurda...

E a música inaudível...

O silêncio que treme
e parece ocupar
o coração que freme
quando a melodia
do canto de um pássaro
parece ficar...

O amor é Deus em plenitude
a infinita medida
das dádivas que vêm
com o sol e com a chuva
seja na montanha
seja na planura
a chuva que corre
e o tesouro armazenado
no fim do arco-íris.

4 de out de 2011

ÍNDIA 03 - Paixão Índia

Gente, preciso confessar: eu amo Yoga e tudo relacionado a ela... Adoro as aulas da Santana (minha professora), adoro a maneira como a gente se sente depois de sua prática (até meu marido me incentiva a ir porque diz que eu volto diferente, feliz e mais leve), adoro as músicas e a meditação, adoro as sete cores dos chacras (campos energéticos do nosso corpo por onde a energia vital passa) e adoro tudo o que vem da Índia... Acho a cultura indiana extremamente rica, cheia de cores, pedras, temperos e essências... E com os livros não poderia ser diferente né??? Amo os romances indianos e já comentei dois deles aqui: Por Amor à Índia e Um Lugar Para Todos.
Mas, como já tem mais de um mês desde a última vez que escrevi sobre Um Lugar Para Todos, hoje decidi falar sobre PAIXÃO ÍNDIA, aliás, esse foi o primeiro romance indiano que conheci e li. E meu centro de yoga, o Espaço Criativo, é tão legal que tem até uma biblioteca, que foi onde aluguei esse livro.


Paixão Índia é a verdadeira história da princesa de Kapurthala e foi escrito por Javier Moro, autor espanhol que também escreveu Sári Vermelho, mas sobre este último conversaremos outro dia...
Paixão Índia poderia ser um conto de fadas, mas é uma história verdadeira (aconteceu mesmo) que vai além dos sentimentos e emoções descritos nesses contos... Sua narrativa fala de paixões, traição, solidão, sonhos e liberdade... Uma obra intensa, vibrante e que nos mostra o coração da Índia, o coração de um marajá indiano, o coração de uma bailarina e princesa... Um dos livros mais marcantes que já li... Todas as pessoas que leram amaram e muitas o elegeram um dos melhores romances que já conheceram...
Ahhhh... E no meio do livro têm várias fotos das pessoas descritas na história, tornando tudo muito real e próximo... Acho que todo mundo vai gostar e se encantar!!!!

Sinopse: Era uma vez um rico marajá indiano que se apaixonou perdidamente por uma bailarina. Todas as noites, ela recebia jóias, flores e palavras de amor. Sem saber direito como se comportar, num misto de vergonha e orgulho, ela se escondia no camarim. Mas quem poderia resistir ao charme endinheirado do rajá de Kapurthala? A bailarina cedeu... e começou uma das mais belas histórias de amor de que se tem notícia. Como num passe de mágica, Anita Delgado ganhou um palácio e transformou-se em princesa espanhola da Índia. Por ser européia, o marajá lhe garantiu um tratamento especial, para ciúmes de suas outras esposas. O choque cultural na Índia colonizada do começo do século XX era inevitável. Determinada, porém, Anita manteve-se no seu lugar, cercada de vassalos, de luxo e de muita solidão... até que seu coração começou a bater de maneira diferente... Paixão Índia é a prova de que um conto de fadas pode, sim, tornar-se realidade.
Abaixo foto da princesa e do marajá:

3 de out de 2011

Boa semana!!!

Olá meu povo!!!!
Desculpem o número reduzido de textos na semana passada, é que fiquei sem computador... Mas agora está tudo certo, meu instrumento de trabalho já está a postos, pronto para receber mais informações, textos, dicas e novas leituras...
E por falar em novas leituras, ainda não decidi o que vou ler essa semana... Na sexta-feira tinha escrito aqui que hoje minhas malas já estariam prontas para uma nova viagem (leia-se: uma nova leitura, hehe), mas ainda não consegui me decidir (com essa minha cabeça indecisa) sobre qual o romance ler entre as opções que tenho em casa:

O Tempo Entre Costuras: ganhei da Vevé (minha sogra) de aniversário lembram??? Mas ainda não li... Dizem que é maravilhoso!!!
O Segredo de Emma Corrigan: o único trabalho da Sophie Kinsella, entre os publicados no Brasil, que eu não tinha. Estou guardando-o para ler após um outro livro mais denso.
O Tamanho do Céu: esta obra estava na minha listinha de novas aquisições e consegui encontrá-la, por um preço bem legal, no Sebo Paixão de Ler (ao lado do Colégio Energia, em Tubarão)... Vale muito a pena ir até lá conferir esse e outros romances (novos e usados) com ótimos preços. Tem até DVD do Snoopy né Mampra???? Hehehe...
Casados com Paris: minha mais nova e feliz aquisição (comprei-o sexta-feira). Estava louca atrás desse livro... Já tinha procurado por ele em várias livrarias, em Tubarão e em Torres... E, qual não foi minha surpresa quando na sexta, passeando pelo centro de Tubarão (nunca passeio nesse dia porque geralmente esse é “o dia” para dar aquela organizada na casa), avistei-o na vitrine de uma livraria???? Entrei e comprei. Para quem tiver interesse, a livraria em questão é a Santa Fé.

Enfim meu povo, são essas as opções que tenho e prometo vir aqui assim que me decidir por uma delas certo??? Um início de semana cheio de paz, harmonia, serenidade e saúde pra todos vocês!!!
Até amanhã!!!