6 de out de 2011

Vinicius de Moraes

Hoje quero falar um pouquinho sobre Vinicius de Moraes... Esse músico, poeta e escritor... Esse artista único e maravilhoso... Mas, independente do que eu fale ou conte aqui, ainda será pouco e não dará conta de descrever e explicar a grandiosidade de suas obras, principalmente de suas canções.
Acho a música do Vinícius leve, doce, otimista, brasileira (com orgulho disso) e romântica. Ele cantou o Rio, o mar, o amor e os amigos... Ele conseguiu colocar vivacidade na sua forma tão poética de compor... Conseguiu colocar delicadeza na sua forma de cantar as coisas simples da vida...
E não é à toa que um dos momentos mais importantes e lindos da minha vida, meu casamento, foi marcado pelo compasso de Se Todos Fossem Iguais a Você, música que o Davi (meu marido) entrou na igreja... Ai, ai, como é bom casar!!!!! Caso vocês tenham curiosidade e queiram saber a música que eu entrei posso falar, hehe, foi uma da Vanessa da Mata que se chama Ainda Bem, linda também!!!! (até rimou)

Gente, tem um DVD do Vinicius que é muito legal e volta e meia está na promoção nas Americanas e na Saraiva (o meu comprei lá e paguei menos de R$ 20,00). O DVD chama Vinicius e foi dirigido pelo Miguel Faria Jr. Consiste em uma homenagem montada em forma de pocket show, apresentada pelos atores Camila Morgado e Ricardo Blat. O documentário mostra a vida, a obra, a família, os amigos e os amores de Vinicius de Moraes. A essência criativa do artista e filósofo do cotidiano e as transformações do Rio de Janeiro através de raras imagens de arquivo, entrevistas e interpretações de muitos de seus clássicos. Vocês têm que ver!!!!



E pra encher de encanto, romantismo e poesia esse finalzinho da semana, eis uma poesia de nosso amigo Vinicius:
A você, com amor
O amor é o murmúrio da terra
quando as estrelas se apagam
e os ventos da aurora vagam
no nascimento do dia...
O ridente abandono,
a rútila alegria
dos lábios, da fonte
e da onda que arremete
do mar...

O amor é a memória
que o tempo não mata,
a canção bem-amada
feliz e absurda...

E a música inaudível...

O silêncio que treme
e parece ocupar
o coração que freme
quando a melodia
do canto de um pássaro
parece ficar...

O amor é Deus em plenitude
a infinita medida
das dádivas que vêm
com o sol e com a chuva
seja na montanha
seja na planura
a chuva que corre
e o tesouro armazenado
no fim do arco-íris.

Um comentário: