11 de ago de 2011

À Margem de Alice

 Acabei de terminar o livro À Margem de Alice e já vim correndo escrever sobre ele... Queria dividir com vocês a exata sensação que fica após terminarmos um romance desses... É tudo tão real, um misto de sentimentos que vai da imagem da cena final que criamos em nossa cabeça até a triste saudade de uma personagem que se tornou praticamente uma pessoa conhecida...
À Margem de Alice não relata só uma história fictícia, mas descreve - em alguns momentos com riqueza de detalhes e em outros de forma quase poética - os sentimentos de seus personagens...
Alice, uma das personagens, sempre buscou conhecer melhor sua mãe para assim entender melhor seu lugar dentro da própria família. Infelizmente algumas respostas ficam guardadas por anos e nem sempre se revelam da maneira que as pessoas esperam...
Esse romance narra, através de uma descrição detalhada de sensações, sentimentos, lugares, pessoas e coisas, a trajetória de Alice em busca de respostas para segredos que ela acredita estarem guardados entre as pessoas que mais ama. Inclusive a resposta para o vazio, que sentiu durante tanto tempo, na relação com sua mãe.
Como diz na própria “orelha” do livro, é “uma história fascinante e lindamente escrita que passeia pela paisagem emocional de seus personagens com força e precisão...” Uma obra, que apesar de exalar boa dose de tristeza, consegue nos prender em cada página... Uma obra que consegue também permanecer em nossas lembranças... Uma obra que deixa a idéia de continuidade... Essas partes, que permanecem dos livros, é que os tornam tão ricos culturalmente, tão merecedores de nossa atenção...

Sinopse: Desde que Alice Green podia se lembrar, sua inatingível mãe, Charlotte, entrava e saía da vida familiar, desaparecendo com freqüência e sem dar explicações. Apesar da exótica coleção de suvenires, recordações de suas incontáveis viagens internacionais, a casa dos Green foi se tornando cada vez mais vazia, já que nada, a não ser Charlotte, seria capaz de preencher seus espaços. Diante da tênue presença de sua mãe e de um pai carinhoso, mas distante por longas jornadas de trabalho, Alice e seu irmão, August, reagiam de maneiras diferentes. Embora buscasse constantemente apoio afetivo em outras mulheres, August mantinha um vínculo tácito com Charlotte que lhe permitia uma certa liberdade. Alice, porém, não gozava dessa segurança e passou a se sentir à margem dos sentimentos, sempre à procura de um modo de manter sua mãe em casa. Quando, anos mais tarde, seu irmão, de espírito tão livre, inusitadamente se afasta, Alice viaja para encontrá-lo em uma isolada cidade praiana. É lá que um segredo há muito guardado surgirá para que Alice possa aceitar a realidade de sua fragmentada família e descobrir seu próprio lugar nela, libertando-se da figura de uma mãe que, talvez, ela nunca tivesse realmente conhecido.

Um comentário:

  1. Aliny, não li este livro e vou seguir sua dica.nossa tenho tantos livros para ler que estou sem saber que horas vou encontrar para isto. trabalho na clínica quase que o dia todo e gosto muito. bjs

    ResponderExcluir